Sábado, 15 de Março de 2008

Fui dar de comer à dor

 
e foi assim
peguei no sono e pus de lado resolvi que era uma criança e fiz de adulto e comecei a ler ao contrário ou seja construí uma linguagem só para mim e a linguagem fez um espaço à minha volta e eu chamei-lhe liberdade guardei o espaço no bolso e fui passeá-los à liberdade e ao espaço a pensar pensei que o sonho podia ser os meus sapatos como a luz o sol da escuridão e guardei a escuridão também o sol era preciso para por na praça sombras o espaço era preciso para eu andar sozinho as pombas no ar ou asas a transportar pombas no ar
que merda de vida

 

eu?: merdoso
som: ai ai ai minha machadinha
escrito por xapim às 00:15
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




I dream a visitor from Burkinafaso!!!

Flag Counter

VIVA CHILE! VIVA CHILE MIERDA!!!

silos

Fotos National Geographic

textos recentes

Shift, o poeta destroçado

Por acaso, Boelhe

O regresso

Rio é mesmo de Moinhos

Havemos de voltar

Crónica de MerdA 3 (o sol...

Crónica de MerdA 2 (prego...

Crónica de Merda 1 (elefa...

Repato de Natal, sim, rep...

Bitetos continua a ser li...

O penedo que abana...

O berço, capital europeia...

O Douro sente-se...

Recantos de Vila Boa do B...

ligações