Segunda-feira, 15 de Julho de 2019

Havemos de voltar

Olá pessoas!
20 anos de mErdA
E cá estamos nós, após um interregno de um pouco mais que um lustro com menos actividade visível devido à ausência do escriva-mor por outro continente em caminhadas alternativas, numa profunda reflexão sobre os 20 anos já passados desde os primeros passos nesta actividade de caminhar pela natureza com os pés bem assentes no chão e a mente bem levantada no ar em pesquisas e discussões atentas e constantes.
História foi feita (acontecimentos invariavelmente felizes no que a nós diz respeito), muita dela registada neste blog. Evoluímos em kms, em dificuldades e temas discutidos. Sentimo-nos felizes por nós, pelo incremento notável da actividade do pedestrianismo e outras agregadas. Mas...
Temos memória... E lembramos um dos locais mais percorrido e esquadrinhado por nós nos primeiros anos: Montedeiras. E é com saudade que recordamos a fauna e a flora que ainda por lá encontrávamos (apesar de alguma poluição de detritos ferrosos e óleo (!) provenientes de pedreiras), que nos levavam a fazer promessas constantes de campismo para podermos saborear melhor o silêncio e observar a vida natural em serena actividade. O que se encontra lá hoje? Pedreiras, estradas, pistas de motos e viaturas todo o terreno, ruído e competições destruidoras da vida natural! E se fôssemos buscar as memórias da infância e da juventude essa comparação ainda tornaria maior a nossa dor na confirmação definitiva de que a pegada ecológica do homem é efectiva e tremendamente destruidora !!!
Extrapolando deste exemplo que expomos, a conclusão é muito desoladora pelo que se pode observar noutros locais que se destinam (ou que para isso foram construídos) a actividades físivas saudáveis para pessoas que, preocupando-se com a qualidade da sua própria vida, têm forçosamente que se preocupar também, e sobretudo, com a saúde do planeta que lhes dá o alimento e o oxigénio que os mantém vivos. Damos um exemplo fresco e recente: fizemos um treino (para uma maratona qualquer que há-de vir...) na zona circundante do parque de lazer de Alpendurada e... não vimos mais os "tomates": CAÍRAM!
Simplesmente deplorável... garrafas plásticas grandes, médias e pequenas espalhadas pelo chão a dois metros do caixote do lixo ou ao longo do caminho à beira do rio... latas de refrigerentes, sacas plásticas, copos burger king com palhinha, copos plásticos, embalagens tetra pak... tudo utensílios altamente poluidores e utilizados pelo homem!
É tão lindo ver e ouvir tantos ecologistas nas redes sociais a darem lições de civismo, a jurar militância pela preservação da natureza, a partilhar artigos ou opiniões (que nem sequer lêem...) e depois assistimos a este espectáculo vergonhoso que, muito infelizmente, não se confina a este local que mencionámos. Perante esta degradação evidente, achamos que a maioria das manifestações públicas de militância ecológica não passam de simples calmantes para a consciência pesada, só pode.
Resumo desta constatação que gostaríamos bastante que fosse diferente: a prática (quase moda) do pedestrianismo e afins cresceu exponencialmente, com diversos, variados e originais aproveitamentos, mas a educação dos praticantes regrediu espantosamente.
E porque já lá vão 20 anos a pisar caminhos velhos, não nos sentiríamos bem a festejar este aniversário com um simples jantar pago pelo companheiro "kilapeiro" Kim. (que eu e o irmão Leitão não perdoamos...). Não querendo ficar só pela comemoração familiar lançamos então um convite alargado a toda a comunidade caminheira, crente e não crente, praticante ou não: venham abrilhantar esta efeméride fazendo connosco uma caminhada ecológica, no domingo dia 25 de Agosto, iniciada no parque de lazer de Alpendurada pelas 08h00 da mamnhã e passando por toda a zona ribeirinha do Tâmega, munidos de sacos, grandes ou pequenos, para apanharmos o lixo todo que encontrarmos pelo caminho (e que podem ver assinalado nas fotos em baixo). Quem for crente e não praticante, tem uma oportunidade de limpar a consciência. Quem não for crente, com a prática vai mudar de ideias quando encarar a triste realidade em que estamos a deixar este planeta que ainda por cima é o único que temos!
Agora está muito na moda dar nomes ingleses a diversas actividades, "sunsets", "summits", "parties", "dress code", "looks" etc. Para quem gosta, e para quem não gosta também, consultem este termo: PLOGGING. Engraçado não é? Podemos todos fazê-lo (o plogging), em grupo ou não, integrá-lo nos nossos hábitos lúdicos diários ou semanais, e com estes pequenos gestos (baixar, apanhar e levantar) aliviar um bocadinho o peso do lixo sobre o planeta e aumentar duma maneira simples o exercício físico. Certo pessoas? É, acreditem, a prenda mais satisfatória que nos podem dar.
Parece que estou a ouvir: "Ah, os outros deitam o lixo e nós vamos apanhá-lo?!" Deixem-se disso. Apanhar uma garrafa de plástico abandonada à beira do rio é um pequeno gesto para o homem mas uma enorme ajuda para a humanidade. Anotem, caminheiro de mErdA dixit.

Custa muito mais ver isto:

lixo.jpglixo5.jpg

lixo2.jpglixo3.jpg

lixo7.jpg

A quem tem olhos e alma para ver isto:

beleza1.jpgbeleza2.jpg

beleza4.jpgbelexza8.jpg

escrito por xapim às 21:39
link do post | comentar | favorito

I dream a visitor from Burkinafaso!!!

Flag Counter

VIVA CHILE! VIVA CHILE MIERDA!!!

silos

Fotos National Geographic

textos recentes

Janelas

São rosas senhor...

Shift, o poeta destroçado

Por acaso, Boelhe

O regresso

Rio é mesmo de Moinhos

Havemos de voltar

Crónica de MerdA 3 (o sol...

Crónica de MerdA 2 (prego...

Crónica de Merda 1 (elefa...

Repato de Natal, sim, rep...

Bitetos continua a ser li...

O penedo que abana...

O berço, capital europeia...

ligações